Passo a passo: Como definir o preço ideal para os veículos em sua revenda

Passo a passo: Como definir o preço ideal para os veículos em sua revenda

Se você trabalha com revenda de automóveis já deve estar ciente que há vários critérios a serem analisados antes de precificar um veículo, principalmente quando falamos de seminovos e usados.

Despesas, valor de mercado e margem de lucro são apenas alguns dos mais importantes quesitos a serem levados em conta.

Manter uma boa precificação em sua revenda é essencial para que seu negócio gere lucro e alcance previsibilidade nas vendas. E não basta apenas olhar para a margem de lucro, é importante também que seus clientes comprem e sintam que estão fazendo um bom negócio.

Afinal de que adianta uma margem de lucro alta se você tiver uma baixa quantidade de vendas?

E para lhe ajudar a precificar seus veículos da melhor forma possível, segue abaixo nosso passo a passo com todos os fatores a serem considerados na hora de definir o preço em seus automóveis de revenda.

1. Valor de mercado na tabela Fipe

Disponibilizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica, a tabela fipe pode ser considerada o mais importante meio para saber o preço de um veículo, quer seja um carro popular, utilitário, moto, caminhão, etc.

Utilizado pelo Detran como fonte de dados para definir o preço do IPVA, e também por corretoras para calcularem o preço do seguro, a tabela é atualizada todo mês e é definitivamente um indicador confiável para saber o valor de mercado de um veículo.

2. Situação do veículo

A tabela Fipe é um indicador altamente confiável, mas jamais deve ser o único parâmetro para definir o preço de um veículo, pois existem diversos fatores determinantes que ela não é capaz de enxergar.

Estado de conservação, quantos donos o veículo já teve, cor, acessórios opcionais e quilometragem, por exemplo, são critérios que passam completamente despercebidos na análise da Fipe.

Um Fiat Palio 1.0 economy, por exemplo, mesmo tendo um valor de R$ 15.000 na tabela Fipe, se tiver uma quilometragem muito alta, principalmente em vias sem asfalto, ter passado por problemas mecânicos graves, se envolvido em acidentes e ter a pintura em más condições, terá seu valor final bem comprometido, despencando drasticamente.

Por isso, tenha sempre muita atenção a esses fatores. Na dúvida, é altamente recomendado que se contrate o serviço de vistoria cautelar para analisar todo o estado e histórico do veículo minuciosamente.

3. Custos operacionais da loja

Se você é um revendedor autônomo, com um estoque pequeno guardado na própria garagem de casa, pode pular este fator, mas caso tenha uma loja ou garagem própria para alocar seus automóveis, definitivamente esse é um quesito importante a ser levado em conta.

Os gastos fixos com manutenção do estabelecimento, como aluguel, eletricidade, água, internet e funcionários, precisam ser também incluídos na hora de precificar seus veículos. Afinal, são despesas indispensáveis para manter as portas do seu negócio abertas.

4. Impostos

Revendedores autônomos muitas vezes também podem se dar ao luxo de “escaparem” desse gasto, mas lojistas, não.

Empresas já têm os impostos praticamente incluídos em seus gastos fixos. Por isso é necessário pesquisar as alíquotas dos impostos que terão de ser pagos e, logicamente, como afetarão o preço final de seus veículos.

5. Margem de lucro

É claro que a margem de lucro não poderia ser deixada de lado aqui. Mas logicamente ficou claro que para definir o quanto você vai lucrar em uma venda, é preciso antes também calcular todo os custos realizados.

Para calcular sua margem de lucro, não esqueça de levar em consideração também seu teto mínimo e uma margem de negociação confortável.

Existem momentos em que é melhor lucrar menos negociando com um comprador que tem potencial para comprar constantemente e atrair outros compradores. Por isso, avalie cada veículo e negociação de maneira única.

Cada caso é um caso, procure sempre garantir um preço justo para ambas as partes. É claro que esse fator varia de acordo com o mercado e realidade econômica da época e região.

6. Investimento em marketing digital (opcional)

Vivemos em uma época em que vender pela internet tem se tornado cada vez mais vantajoso, inclusive no mercado de seminovos e usados.

Mas é preciso mais que uma boa seleção de veículos e preços competitivos quando falamos de venda online. É necessário promover seus produtos e seu negócio de maneira eficiente. E investir em marketing digital é uma ótima maneira de fortalecer sua marca e alcançar potenciais compradores, principalmente pelo custo-benefício.

Mesmo assim, é importante levar em conta todo o investimento em marketing digital na hora de precificar seus veículos.

Esperamos que com essas dicas você consiga definir com maestria o preço de cada veículo em sua revenda, aumentando não apenas seus lucros, mas também a quantidade de vendas.

Compartilhe

Deixe um comentário